skip to Main Content
Tudo Que Você Precisa Saber Sobre Um E-commerce

Tudo que você precisa saber sobre um E-commerce

Hoje no mundo tecnológico os serviços ficaram mais velozes e os serviços se atualizaram para atender a demanda dos usuários que fica cada vez mais específica.

Mas você sabe o que é um e-commerce? E como ele funciona? Não! Então esse artigo é para você! Leia nossas dicas abaixo!

O que é um e-commerce?

E-commerce, ou loja online, refere-se às vendas pela internet, mais especificamente, as que são realizadas por uma única empresa, seja um fabricante ou revendedor, por meio de uma plataforma virtual própria.

Um e-commerce só pode receber esse nome quando ele traz os produtos de uma única empresa, seja um fabricante ou revendedor, em uma plataforma virtual própria. Além disso, não há um intermediador para o processo de venda.

Como todo mundo começou

Essa plataforma é relativamente nova no Brasil e no mundo. Surgiu a 25 anos atrás, no início dos anos 90, com o surgimento da primeira loja virtual. 

Esse mercado ganhou força por volta de 1994, quando um americano chamado Jeff Bezos iniciou, com pouquíssimo investimento na garagem de casa, uma loja virtual de livros. Criada despretensiosamente, a empresa se tornou a gigante Amazon.

Depois disso, o mercado de vendas online foi popularizado e cresceu muito rápido.  Em seguida, surge em nos Estados Unidos o Ebay e, posteriormente, o Mercado Livre é criado, no Brasil.

De lá para cá, o E-commerce vem crescendo em ritmo acelerado no Brasil e no resto do mundo. Estima-se que, atualmente, o comércio eletrônico já some mais de U$ 1 trilhão em vendas anuais em todo o planeta.

O comércio 

Segundo a ABComm, o comércio eletrônico deve registar um tíquete médio de R$ 301, com um total de 265 milhões de pedidos efetuados pelos consumidores até o fim deste ano. O número de lojas virtuais deve totalizar 87 mil. As micro e pequenas empresas devem aumentar sua participação no faturamento, atingindo 29%. A participação dos marketplaces no faturamento do setor também deve registrar crescimento em 2019. Segundo a entidade, a fatia deve passar dos atuais 31% verificados em 2018 para 35% ao fim deste ano.

A experiência do consumidor nos dispositivos móveis deve continuar sendo alvo de atenção das lojas virtuais neste ano. Segundo a associação, é esperado que 33% das vendas efetuadas pelos consumidores venham a partir de smartphones e tablets. A participação móvel nas compras online, porém, permanecerá no mesmo patamar observado em 2018, segundo dados da entidade.

E-commerce X Marketplace

O e-commerce como já foi dito lá em cima, é uma loja online tradicional em que a marca vende seus produtos, cuidando de todo o processo, desde a compra até a entrega. 

A marca só vende ao consumidor o que ela tem em seu estoque próprio e que faz parte de seu rol de produtos.

Já o marketplace são plataformas online que reúnem produtos de diversas lojas, oferecendo uma gama muito mais ampla de itens. Ou seja, é como se fosse uma grande vitrine em que diversas empresas expõem seus itens.

Categorias do E-commerce

Existe vários tipos de categorias de e-commerce. Aqui vai ser citado os três modelos mais populares utilizados:

 

  • B2C ( Business to Consumer)

 

O e-commerce do tipo B2C é aquele onde a relação é estabelecida entre uma empresa e o consumidor. Ou seja, é o tipo de comércio eletrônico onde as empresas interagem diretamente com o cliente final.

 

  • B2B (Business to Business)

 

Não tão massificado ainda no Brasil, são lojas virtuais criadas por fabricantes ou distribuidores. Tem o objetivo de vender exclusivamente para empresas.

É utilizado, em geral, por revendedores menores que vendem o produto para o consumidor final no varejo. Basicamente, esse é o E-commerce de atacado.

 

  • C2C (Consumer to consumer)

 

O tipo de e-commerce C2C (Consumidor para Consumidor) permite a contempla a troca de bens e serviços sem participação de uma empresa. No entanto, geralmente existe a participação de um terceiro agente quando a troca ocorre por meio eletrônico.

Como montar um e-commerce?

Como todo negócio, é necessário planejamento estruturado para ter bons resultados. Faça um planejamento detalhado do seu projeto, analise o mercado em que vai entrar e coloque tudo isso no papel.

Faça uma programação para a execução das etapas do projeto com data e valor a ser investido. Desenhe o cenário em que você espera que vá se desenvolver o seu projeto.

Depois disso, escolha seu nicho de mercado. Melhor opção para saber com qual público você está lidando para poder atrair seu cliente e fidelizar ele.

Escolha uma plataforma de e-commerce

Com o nicho e o público-alvo bem estabelecidos, é hora de montar a loja virtual e definir as formas de venda deste e-commerce. 

Entre as opções do mercado, indicamos que você conheça:

  • Vtex (grandes, médias e pequenas empresas)
  • Plataforma CORE (médias e pequenas empresas)
  • Oracle Commerce Platform (grandes empresas);
  • IBM WebSphere Commerce (grandes empresas);
  • Loja Integrada (pequenas empresas)
  • Xtech Commerce (pequenas empresas)
  • Nuvem Shop (micro-empresas)

Escolha o tipo de produto: físico ou digital 

Você deve escolher o produto que venderá. Os produtos físicos são a escolha mais comum porque este é o tipo de mercado com o qual estamos mais acostumados. São bens de consumo duráveis ou não duráveis, como livros, alimentos, roupas, sapatos, etc.

Já os produtos digitais são distribuídos online e, geralmente, são conteúdos educativos como ebooks, cursos online, softwares e serviços de assinatura.

Dê uma atenção especial à logística 

Um dos principais desafios para quem vai ter um e-commerce é a parte logística. Preciso definir se os produtos serão feitos por encomenda ou se haverá um estoque para venda, e se houver um estoque, quantas unidades ficarão disponíveis.

Além disso, você deve pensar nas melhores opções para o transporte da mercadoria. E-Commerces menores utilizam os correios, por ser um serviço com um preço acessível e que atende todo o país. Mas, dependendo de seu nível de demanda, talvez seja interessante pensar em métodos de entrega alternativos, como transportadoras.

Algumas lojas físicas que também possuem e-commerce dão para o consumidor a opção de pegar a encomenda na loja e, dessa forma, economizar com o frete. 

Por isso, deve se pensar em uma consultoria contábil especializada e assessoria de empresas e profissionais liberais, oferecendo orientação contábil, fiscal, pessoal e financeira, entre outras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top